live every second...

image

Com meus olhos de cão paro diante do mar. Trêmulo e doente. Arcado, magro, farejo um peixe entre madeiras. Espinha. Cauda. Olho o mar mas não lhe sei o nome. Fico parado em pé, torto, e o que sinto também não tem nome. Sinto meu corpo de cão. Não sei o mundo nem o mar a minha frente. Deito-me porque o meu corpo de cão ordena. Há um latido na minha garganta, um urro manso. Tento expulsá-lo mas homem-cão sei que estou morrendo e que jamais serei ouvido. Agora sou espírito. Estou livre e sobrevoo meu ser de miséria, meu abandono, o nada que me coube e que me fiz na Terra. Estou subindo, úmido de névoa.
Hilda Hilst
O café. Eu sou o café. Ás vezes sou amargo, ás vezes doce. Ás vezes quente demais, ás vezes frio. Ás vezes bebido pela metade, ás vezes esquecido. Ás vezes pecando em doçura, ás vezes pecando em amargura. Ás vezes servido acompanhado, ás vezes sozinho.
Bruno Grey.